quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Nossa Senhora de Guadalupe e as flores de Tepeyac

Em vista da festa de Nossa Senhora de Guadalupe, que a Igreja celebra no dia 12 de dezembro, queremos trazer à você um breve histórico sobre a Virgem de Guadalupe, Padroeira da América Latina.

Em um sábado de 1531 em meados de dezembro, um índio chamado Juan Diego, caminhava de seu povoado até à cidade do México afim de participar das aulas de catecismo e da Santa Missa. Ao chegar junto à colina chamada Tepeyac ele escutou uma voz que o chamava por seu nome.

Ele subiu ao cume e viu uma Senhora de sobre-humana beleza, cujo vestido era brilhante como o sol, a qual com palavras muito amáveis e atentas lhe disse: "Juanito: o menor de meus filhos, eu sou a sempre Virgem Maria, Mãe do verdadeiro Deus, por quem se vive. Desejo vivamente que me construa aqui um templo. Vá ao Senhor Bispo e lhe diga que desejo um templo neste plano. Anda e ponha nisso todo seu esforço".

Retornou a seu povo e procurou o bispo local e lhe contou como se encontrou  com a Virgem e qual o seu desejo, porém o bispo, usando de prudência, não se pronunciou a respeito, preferindo aguardar uma confirmação. Juan Diego se retirou e seguiu para seu povo. Novamente Juan Diego encontra-se com a Virgem Maria e lhe explicou o ocorrido. A Virgem lhe pediu que no dia seguinte ele fosse novamente falar com o bispo e lhe repetisse a mensagem.

Juan Diego fez o que a Virgem lhe pediu e retornou ao bispo, desta vez o bispo, logo depois de ouvir Juan Diego, disse que ele devia ir e dizer à Senhora que lhe desse algum sinal que provasse que ela era a Mãe de Deus e que era sua vontade construir um templo.

De volta, Juan Diego se encontrou com Maria e lhe narrou o que o bispo havia lhe dito. A Virgem lhe mandou então, que retornasse no dia seguinte no mesmo lugar, pois ali Ela lhe daria o sinal.

Mas no dia seguinte Juan Diego não pôde voltar para colina, pois seu tio Juan Bernardino estava muito doente. A madrugada de 12 de dezembro Juan Diego partiu a toda pressa para conseguir um sacerdote a seu tio, pois ele estava muito doente, quase morrendo. Ao chegar ao lugar por onde devia encontrar-se com a Senhora, ele preferiu tomar outro caminho para evitar de encontrar-se com Ela. Mas de repente, Nossa Senhora saiu a seu encontro e lhe perguntou aonde ia. O índio envergonhado lhe explicou o que estava acontecendo. A Virgem disse a Juan Diego: “Escute, meu filho, não há nada que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua “tilma” (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu,nada omita…”

Uma vez diante de Dom Zumárraga, Juan Diego desdobrou sua “tilma” (manto), e caíram ao chão as rosas e no manto do humilde indígena estava o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe pintada prodigiosamente. Vendo isto, o bispo levou o manto com a imagem da Santíssima Virgem, e ali, em meio às lágrimas, pediu perdão a Nossa Senhora. Era 12 de dezembro de 1531.

Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego foi visitar o seu tio, que em saúde perfeita narrou: “Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou comigo. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de ‘Santa Maria de Guadalupe’, embora não tenha explicado o porquê”. Diante de tudo isso muitos se converteram e o santuário foi construído.

O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem.

No ano de 1971, alguns peritos inadvertidamente deixaram cair ácido nítrico sobre toda a pintura. E nem a força de um ácido tão corrosivo estragou ou manchou a imagem. Com a invenção e ampliação da fotografia descobriu-se que, assim como a figura das pessoas com as quais falamos se reflete em nossos olhos, da mesma forma a figura de Juan Diego, do referido bispo e do intérprete se refletiu e ficou gravada nos olhos do quadro de Nossa Senhora. Cientistas americanos chegaram à conclusão de que estas três figuras estampadas nos olhos de Nossa Senhora não são pintura, mas imagens gravadas nos olhos de uma pessoa viva.

Declarou o Papa Bento XIV, em 1754: “Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros… uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja… Deus não agiu assim com nenhuma outra nação”.

Coroada em 1875 durante o Pontificado de Leão XIII, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada “Padroeira de toda a América” pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945.

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

Diana Darre e Evandro Oliveira
Voluntários da Imaculada - Padre Kolbe