quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

A ciência do discernimento dos espíritos vem da percepção da inteligência

A luz da verdadeira ciência está em discernir sem errar o bem e o mal. Feito isto, a via da justiça que leva a mente a Deus, sol da justiça, introduz então a inteligência naquele infinito fulgor do conhecimento, que lhe faz procurar daí em diante, com segurança, a caridade.

Os que combatem precisam manter sempre o espírito fora das agitações perturbadoras para discernir os pensamentos que surgem: guardar os bons, vindos de Deus, no tesouro da memória; expulsar os maus e demoníacos dos antros da natureza. O mar, quando tranquilo, deixa os pescadores verem até o fundo, de sorte que quase nenhum peixe lhes escape; mas, agitado pelos ventos, ele esconde na turva tempestade aquilo que se via tão facilmente no tempo sereno. Assim, toda a perícia dos pescadores se vê frustrada.

Somente, porém, o Espírito Santo tem o poder de purificar a mente. Se o forte não entrar para espoliar o ladrão, nunca se libertará a presa. É necessário, portanto, alegrar em tudo o Espírito Santo pela paz da alma, mantendo em nós sempre acesa a lâmpada da ciência. Quando ela não cessa de brilhar no íntimo da mente, conhecem-se os ataques cruéis e tenebrosos dos demônios, o que mais ainda os enfraquece sendo eles manifestados por aquela santa e gloriosa luz.

Por esta razão diz o Apóstolo: Não apagueis o Espírito, isto é, não causeis tristeza ao Espírito Santo por maldades e maus pensamentos, para que não aconteça que ele deixe de proteger-vos com seu esplendor. Não que o eterno e vivificante Espírito Santo possa extinguir-se, mas é a sua tristeza, quer dizer, seu afastamento que deixa a mente escura sem a luz do conhecimento e envolta em trevas.

O sentido da mente é o paladar perfeito que distingue as realidades. Pois como pelo paladar, sentido corporal, sabemos discernir sem erro o bom do ruim quando estamos com saúde e desejamos as coisas delicadas, assim nossa mente, começando a adquirir a saúde perfeita e a mover-se sem preocupações, poderá sentir abundantemente a consolação divina e conservar, pela ação da caridade, a lembrança do gosto bom para aprovar o que for ainda melhor, conforme ensina o Apóstolo: Isto peço: que vossa caridade cresça sempre mais na ciência e na compreensão, para discernirdes o que é ainda melhor.

Dos Capítulos sobre a Perfeição Espiritual, de Diádoco de Foticéia, bispo (Séc.V)
Liturgia das Horas

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Recebamos a luz clara e eterna

Todos nós que celebramos e veneramos com tanta piedade o mistério do encontro do Senhor, corramos para ele cheios de entusiasmo. Ninguém deixe de participar deste encontro, ninguém recuse levar sua luz.

Acrescentamos também algo ao brilho das velas, para significar o esplendor divino daquele que se aproxima e ilumina todas as coisas; ele dissipa as trevas do mal com a sua luz eterna, e também manifesta o esplendor da alma, com o qual devemos correr ao encontro com Cristo.

Do mesmo modo que a Mãe de Deus e Virgem imaculada trouxe nos braços a verdadeira luz e a comunicou aos que jaziam nas trevas, assim também nós: iluminados pelo seu fulgor e trazendo na mão uma luz que brilha diante de todos, corramos pressurosos ao encontro daquele que é a verdadeira luz.

Realmente, a luz veio ao mundo (cf. Jo 1,9) e dispersou as sombras que o cobriam; o sol que nasce do alto nos visitou (cf. Lc 1,78) e iluminou os que jaziam nas trevas. É este o significado do mistério que hoje celebramos. Por isso caminhamos com lâmpadas nas mãos, por isso acorremos trazendo as luzes, não apenas simbolizando que a luz já brilhou para nós, mas também para anunciar o esplendor maior que dela nos virá no futuro. Por este motivo, vamos todos juntos, corramos ao encontro de Deus.

Chegou a verdadeira luz, que vindo ao mundo ilumina todo ser humano (Jo 1,9). Portanto, irmãos, deixemos que ela nos ilumine, que ela brilhe sobre todos nós.

Que ninguém fique excluído deste esplendor, ninguém insista em continuar mergulhado na noite. Mas avancemos todos resplandecentes; iluminados por este fulgor, vamos todos ao seu encontro e com o velho Simeão recebamos a luz clara e eterna. Associemo-nos à sua alegria e cantemos com ele um hino de ação de graças ao Criador e Pai da luz, que enviou a luz verdadeira e, afastando todas as trevas, nos fez participantes do seu esplendor.

A salvação de Deus, preparada diante de todos os povos, manifestou a glória que nos pertence, a nós que somos o novo Israel. Também fez com que víssemos, graças a ele, essa salvação e fôssemos absolvidos da antiga e tenebrosa culpa. Assim aconteceu com Simeão que, depois de ver a Cristo, foi libertado dos laços da vida presente.

Também nós, abraçando pela fé a Cristo Jesus que nasceu em Belém, de pagãos que éramos, nos tornamos povo de Deus – Jesus é, com efeito, a salvação de Deus Pai – e vemos com nossos próprios olhos o Deus feito homem. E porque vimos a presença de Deus e a recebemos, por assim dizer,nos braços do nosso espírito, somos chamados de novo Israel. Todos os anos celebramos novamente esta festa, para nunca nos esquecermos daquele que um dia há de voltar.

Dos Sermões de São Sofrônio, bispo (Séc.VII)
Liturgia das horas


sábado, 31 de outubro de 2015

Santidade: marcas de amor

Dia 01 de novembro é o Dia de Todos os Santos. Esse dia é um lindo exemplo de alegria. O intuito dessa data é reconhecer todas as pessoas que viveram buscando a santidade durante a vida e deixaram marcas de amor nas pessoas ao seu redor. Exemplos para nós vivos e motivo para pedir sempre sua intercessão.

Existem nossos Santos queridos de devoção, como por exemplo: Santo Antônio, São Francisco, Santa Teresinha do menino Jesus, etc, mas também existem os Santos desconhecidos, que podem ser nossos avós, pais já falecidos, que também podem estar no céu, intercedendo por nós.

Nós do Instituto das Missionárias da Imaculada Pe. Kolbe, fazemos no início de todos os anos, o que chamamos de extração dos santos, onde cada membro do instituto sorteia um santo conhecido e também uma missionaria já falecida. O objetivo é conhecê-los melhor durante o ano e pedir sua intercessão. E veja que também extraímos uma missionária (santa desconhecida) que cuidará de nós durante o ano e a quem pediremos também intercessão.

Que lindo isso, não é?
Portanto, você também pode fazer algo parecido, com seus entes queridos, que deixaram marcas de amor em você e que está no céu feliz, olhando por você.
Pedimos que todos os santos de Deus roguem por nós!

Em especial nesse tempo de tantas necessidades no Brasil e no mundo, rezemos para que nossos queridos santos intercedam por nós e por todos os que sofrem e são vítimas dos males atuais.
Dia 02 de novembro, Dia de Finados. Muitas pessoas não gostam muito desta data, pois ela lembra momentos tristes. Mas na verdade essa data não é triste, é que lembramos de pessoas muito queridas e que dói pensar na sua ausência. Mas quando entendemos o verdadeiro sentido da Igreja ter definido essa data como um momento importante, parte do nosso rito, para lembrarmos dos nossos falecidos, vemos que no fundo não é motivo de tristeza e sim de alegria, respeito e esperança.

O Catecismo da Igreja lembra que: “Reconhecendo cabalmente a comunhão de todo o corpo místico de Jesus Cristo, a Igreja terrestre, desde os tempos primeiros da religião cristã, venerou com grande piedade a memória dos defuntos..." (n.958)

Isso nos lembra que o corpo místico da Igreja é formado pela: "Igreja Militante", que somos nós, a "Igreja Padecente", que são os que estão no purgatório, e a "Igreja Triunfante", os que estão no céu.
Nós acreditamos na ressurreição, ou seja, que temos uma vida em Cristo depois da nossa morte corporal e que estar com Cristo deve ser nosso objetivo final de vida. Então, estar com o Senhor é algo maravilhoso, que nos enche de paz e alegria.

Um dia todos estaremos com o Senhor, face a face. E assim, a morte não será encarada com tristeza, mas com esperança. Estar no céu é um grande prêmio e misericórdia de Deus.
E rezar pela alma dos nossos parentes e amigos falecidos é um ato de caridade para com eles. É uma forma de mantermos unidos a eles e continuarmos mostrando nosso amor por eles, pois se estar no céu é nosso objetivo final, então é para isso que devemos rezar, para que Deus tenha compaixão deles, perdoe-lhes os pecados e os conduza a vida eterna.

Deixo aqui uma oração como sugestão para rezarem pelos seus:

Oração pelos falecidos

"Pai santo, Deus eterno e Todo-Poderoso, nós Vos pedimos por  (nome do falecido), que chamastes deste mundo.
Dai-lhe a felicidade, a luz e a paz. Que ele, tendo passado pela morte, participe do convívio de Vossos santos na luz eterna, como prometestes a Abraão e à sua descendência.
Que sua alma nada sofra, e Vos digneis ressuscitá-lo com os Vossos santos no dia da ressurreição e da recompensa.
Perdoai-lhe os pecados para que alcance junto a Vós a vida imortal no reino eterno.
Por Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém

(Rezar Pai-Nosso e Ave-Maria.)

Dai-lhe, Senhor, o repouso eterno e brilhe para ele a Vossa luz!"

Concluímos então que esses dois dias se completam. Um lembra os santos, que já estão falecidos, e o outro lembra de todos os fiéis defuntos, que contam com nossas orações.

E para terminar, lembremos de Nossa querida Mãe, Maria, maior de todos os Santos. Recorramos a Virgem, para que com sua intercessão possamos nós vivermos uma vida na graça de Deus e um dia estarmos com Eles, junto com toda Igreja Triunfante.

Diana Darre de Oliveira
Voluntária da Imaculada-Padre Kolbe

sábado, 22 de agosto de 2015

Rainha do mundo e da paz

Considera com que justa disposição refulgiu, já antes da assunção, o admirável nome de Maria por toda a terra. Sua fama extraordinária por toda a parte se espalhou antes que sua magnificência fosse elevada acima dos céus. Pois convinha que a Virgem Mãe, em honra de seu Filho, primeiro reinasse na terra, em seguida, fosse recebida gloriosa nos céus. Fosse amplamente conhecida na terra, antes de entrar na santa plenitude. Levada de virtude em virtude, fosse assim exaltada de claridade em claridade pelo Espírito do Senhor.

Presente na carne, Maria antegozava as primícias do reino futuro, ora subindo até Deus com inefável sublimidade, ora descendo até os irmãos com inenarrável caridade. Lá recebia os obséquios dos anjos, aqui era venerada pela submissão dos homens. Servia-lhe Gabriel com os anjos; ao lado dos apóstolos servia-lhe João, feliz por lhe ter sido confiada a Virgem Mãe a ele, virgem. Alegravam-se aqueles por vê-la rainha; estes por sabê-la senhora. Todos a obedeciam de coração.

E ela, assentada no mais alto cume das virtudes, repleta do oceano dos carismas divinos, do abismo das graças, ultrapassando a todos, derramava largas torrentes ao povo fiel e sedento. Concedia a saúde aos corpos e às almas, podendo ressuscitar da morte da carne e da alma. Quem jamais partiu de junto dela doente ou triste ou ignorante dos mistérios celestes? Quem não voltou para casa contente e jubiloso, tendo impetrado de Maria, a Mãe do Senhor, o que queria?

Ela é esposa repleta de tão grandes bens, mãe do único esposo, suave e preciosa nas delícias. Ela é como fonte dos jardins inteligíveis, poço de águas vivas e vivificantes, que correm impetuosas do Líbano divino, fazendo descer do monte Sião até às nações estrangeiras vizinhas rios de paz e mananciais de graças vindas do céu. E assim, ao ser elevada a Virgem das Virgens por Deus e seu Filho, o rei dos reis, no meio da exultação dos anjos, da alegria dos arcanjos e das aclamações de todo o céu, cumpriu-se a profecia do Salmista que diz ao Senhor: Está à tua destra a rainha recoberta de bordados a ouro, em vestes variadas (Sl 44,10).


Santo Amadeu, bispo de Lausan - (Séc.XII)

domingo, 2 de agosto de 2015

Porciúncula: uma pequena porção deste mundo


Diz Frei Tomás de Celano, ao escrever a biografia de seu companheiro e amigo Frei Francisco: “O servo de Deus Francisco, pequeno de estatura, humilde de espírito e menor por profissão, escolheu para si e para os seus uma pequenina porção deste mundo, enquanto neste século tinha de viver, pois, de outro modo não poderia servir a Cristo sem ter alguma coisa do mundo. Então não deve ter sido sem a presciência do oráculo divino que, desde os tempos antigos, foi chamado de Porciúncula o lugar que devia cair por sorte para aqueles que não queriam ter absolutamente nada do mundo. Naquele lugar, também, tinha sido construída uma igreja da Virgem Mãe, que por humildade singular, mereceu ser cabeça de todos os santos, logo depois de seu Filho”.

A experiência de São Francisco nos desperta para uma necessidade vital: escolher um lugar neste mundo, enquanto temos que viver, para podermos servir a Cristo. Um lugar que seja para nós, um espaço de encontro com Deus, conosco mesmo, com o mundo. Um lugar que seja para nós a matriz daquilo que “apaixonadamente buscamos”: Deus mesmo. Sua presença. Um lugar no qual sintamos na nossa pele, a força e a alegria de Cristo que nos impulsiona a sair de nós mesmos ao encontro do outro, nosso irmão. Um lugar que não pode ser retirado de nós, porque está primeiramente dentro do nosso interior. É a pequenina porção da nossa humilde existência! Sim! A única coisa que o santo de Assis escolheu foi um lugar... E este foi fonte de vida para toda sua família e para a humanidade. Um lugar dedicado a uma pessoa que ele amou profundamente e que lhe ensinou a fidelidade ao Senhor: a Virgem Maria. Que neste dia, Ela mesma nos conceda a graça de escolher um lugar para permanecermos com o seu Filho.

Rosana Coelho - Missionária da Imaculada Padre Kolbe

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Festa do Sagrado Coração de Jesus

Ó Jesus, cujo coração divino é símbolo vivente de amor infinito, atraí as nossas almas para a vossa doce intimidade. Vós, que vos consumistes pela glória do Pai e pela salvação dos homens, fazei com que a nossa vida seja um contínuo testemunho de amor por vós. Oferecemo-vos os nossos sentidos, tão prontos para a dispersão; o nosso coração, tão inconstante; a nossa carne, tão frágil. Tudo aquilo que temos e somos, oferecemo-lo a vós a fim de que nos tornemos um agradável holocausto de amor.

Glória ao Pai...Doce coração de Jesus,fazei que eu te ame cada vez mais.

Ó Jesus, cujo coração divino experimentou até à agonia o peso e a gravidade do pecado, tornai o nosso coração sensível à tragédia da humanidade que resiste ao vosso amor. Pelos nossos pecados e por todos os pecados que se cometem no mundo, queremos oferececer-vos a nossa generosa reparação, unindo-a ao vosso sacrifício redentor. Aceita-a das mãos da Virgem reparadora como um ato de fé e de amor.

Glóra ao Pai...Doce coração de Jesus,
fazei que eu te ame cada vez mais.
Ó Jesus, cujo coração dinvino arde do desejo de levar todos os homens ao amor do Pai, acendei também em nós a chama do apostolado. Que a nossa vida se torne um testemunho do evangelho, com o ardor da palavra e a eficácia do exemplo. Que a vossa graça nos ajude a atrair as almas para o reino do vosso amor, onde a humanidade, unificada no vosso nome, formará uma só família no abraço eterno do Pai.

Glória ao Pai...Doce coração de Jesus,
fazei que eu te ame cada vez mais.
Fonte: Penserverantes na oração

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Festa de Corpus Crhisti


A Festa de Corpus Christi é realizada na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, que, por sua vez, acontece no domingo seguinte ao de Pentecostes. É a festa onde adoramos e manifestamos nossa crença na Eucaristia, que é o Corpo e o Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Como vocês sabem, nós católicos não celebramos a Eucaristia como uma representação. Nós realmente cremos que a hóstia se transforma no Corpo e o vinho no Sangue de Cristo. Nossos olhos veem pão e vinho, mas nossa alma vê o Senhor. E esse milagre acontece a cada momento em que uma missa é celebrada, no momento da Consagração Eucarística onde acontece a transubstanciação:  a transformação do Pão em Corpo e do Vinho em Sangue.

O Papa Bento XVI, na homilia da Santa Missa na Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo em 2011, nos relembra da ligação dessa Festa com a Quinta-feira Santa: "A festa do Corpus Christi é inseparável da Quinta-Feira Santa, da Missa in Caena Domini, na qual se celebra solenemente a instituição da Eucaristia. Enquanto na tarde de Quinta-Feira Santa se revive o mistério de Cristo que se oferece a nós no pão partido e no vinho derramado, hoje, na celebração do Corpus Christi, este mesmo mistério é proposto à adoração e à meditação do Povo de Deus, e o Santíssimo Sacramento é levado em procissão pelas estradas das cidades e das aldeias, para manifestar que Cristo ressuscitado caminha no meio de nós e nos guia para o Reino do céu." (http://www.vatican.va)

Gostaria que você leitor, pensasse nesse momento conosco o motivo que fez Jesus fazer-se presente vivo no pão e vinho. No meu coração não vem outro motivo além do grande amor que Jesus teve e tem por nós. Quando penso que tenho Ele dentro de mim a cada vez que comungo, sinto uma alegria imensa, e uma força incapaz de descrever tamanha transformação que Ele faz, e agradeço a Ele por esta forma que Jesus encontrou de ficar pertinho de nós, não existe melhor maneira de estar junto a Ele. E quando recordamos, quão bela foi a vivência dos apóstolos que estiveram na presença de Jesus - como humano, não podemos esquecer que eles tiveram que ter fé para acreditar que Ele era o Deus prometido, que viria vencer o pecado e a morte. Olhando para nós hoje, devemos acreditar que também nós, somos privilegiados por recebê-lo dentro na Comunhão, em Corpo e Sangue e precisamos ter a mesma fé que o apóstolos tiveram para colocar a base de nossa fé nesse milagre.

Lembramos aqui o grande milagre Eucarístico de Lanciano, ocorrido na cidade Italiana de Lanciano, no século VIII: o Padre, em um momento de dúvida, durante uma missa, viu a hóstia, converter-se em carne viva e o vinho em sangue vivo. Um lindo milagre... Se voce ainda não conhece esse milagre, é um bom momento para pesquisar e conhecer mais.

Por isso, precisamos nos dedicar mais aos nossos momentos de Adoracao Eucarística. Rezar em casa é muito importante, mas rezar diante do Santíssimo Sacramento é um momento de muita graça.

A Eucaristia é tão importante na nossa fé que a Igreja fez dela um Sacramento: "A Eucaristia é «fonte e cume de toda a vida cristã» (146). «Os restantes sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos e obras de apostolado, estão vinculados com a sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Com efeito, na santíssima Eucaristia está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, nossa Páscoa» (147)." (1324 - Catecismo da Igreja Católica)

E esse sacramento recebemos semanalmente aos domingos ou diariamente quando participamos da Santa Missa. Quanta graça! Por isso essa Festa vem nos motivar a adorá-lo e agradecer por todo amor que Ele tem por nós. Deixar-nos inundar pelo amor que vem do Seu coração , inclusive amá-lo por todos que não O amam.

Novamente podemos ver o relacionamento dos santos com a Santa Eucaristia: Santa Teresinha do Menino Jesus escreveu a famosa poesia: “Vem ao Meu coração Hóstia Branca que amo”. Vamos ver abaixo um trecho:

Na festa de Nossa Senhora do Monte Carmelo, 16 de Julho, Teresa recebe a Comunhão Eucarística na enfermaria. Maria da Eucaristia, sua prima, Com voz “alta e bela” canta a estrofe que Teresa tinha composto para este momento.

“Tu que conheces minha extrema pequenez
que não receias nunca abaixar-te até mim,
vem a meu coração, Hóstia branca que amo,
vem a meu coração que anseia só por ti!
Desejo demais que tua bondade me faça
Morrer de amor após este favor.
Escuta, meu Jesus, meu grito de ternura:
Vem ao meu coração”.

Portanto, durante a missa de Corpus Christi, busquemos abrir nossos corações e que isso gere um propósito de intensificarmos nossos momentos diante de Jesus Sacramentado.

Feliz Festa de Corpus Christi!

Diana Darre e Evandro Oliveira
Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe

Para ouvir: Hóstia Branca (http://www.youtube.com/watch?v=V2MgqwBRGdw)

Para assitir: O Grande Milagre