domingo, 30 de junho de 2013

Estes mártires viram o que pregaram

O martírio dos santos apóstolos Pedro e Paulo consagrou para nós este dia. Não falamos de mártires desconhecidos. Sua voz ressoa e se espalha em toda a terra, chega aos confins do mundo a sua palavra (Sl 18,5). Estes mártires viram o que pregaram, seguiram a justiça, proclamaram a verdade, morreram pela verdade.

São Pedro, o primeiro dos apóstolos, que amava Cristo ardentemente, mereceu escutar: Por isso eu te digo que tu és Pedro (Mt 16,19). Antes, ele havia dito: Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo (Mt 16,16). E Cristo retorquiu: Por isso eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra construirei minha Igreja (Mt 16,18). Sobre esta pedra construirei a fé que haverás de proclamar. Sobre a afirmação que fizeste: Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo, construirei a minha Igreja. Porque tu és Pedro. Pedro vem de pedra; não é pedra que vem de Pedro. Pedro vem de pedra, como cristão vem de Cristo.

Como sabeis, o Senhor Jesus, antes de sua paixão, escolheu alguns discípulos, aos quais deu o nome de apóstolos. Dentre estes, somente Pedro mereceu representar em toda parte a personalidade da Igreja inteira. Porque sozinho representava a Igreja inteira, mereceu ouvir estas palavras: Eu te darei as chaves do Reino dos Céus (Mt 16,19). Na verdade, quem recebeu estas chaves não foi um único homem, mas a Igreja una. Assim manifesta-se a superioridade de Pedro, que representava a universalidade e a unidade da Igreja, quando lhe foi dito: Eu te darei. A ele era atribuído pessoalmente o que a todos foi dado. Com efeito, para que saibais que a Igreja recebeu as chaves do Reino dos Céus, ouvi o que, em outra passagem, o Senhor diz a todos os seus apóstolos: Recebei o Espírito Santo. E em seguida: A quem perdoardes os pecados, eles serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos (Jo 20,22-23).

No mesmo sentido, também depois da ressurreição, o Senhor entregou a Pedro a responsabilidade de apascentar suas ovelhas. Não que dentre os outros discípulos só ele merecesse pastorear as ovelhas do Senhor; mas quando Cristo fala a um só, quer, deste modo, insistir na unidade da Igreja. E dirigiu-se a Pedro, de preferência aos outros, porque, entre os apóstolos, Pedro é o primeiro.

Não fiques triste, ó apóstolo! Responde uma vez, responde uma segunda, responde uma terceira vez. Vença por três vezes a tua profissão de amor, já que por três vezes o temor venceu a tua presunção. Desliga por três vezes o que por três vezes ligaste. Desliga por amor o que ligaste por temor. E assim, o Senhor confiou suas ovelhas a Pedro, uma, duas e três vezes.

Num só dia celebramos o martírio dos dois apóstolos. Na realidade, os dois eram como um só. Embora tenham sido martirizados em dias diferentes, deram o mesmo testemunho. Pedro foi à frente; Paulo o seguiu. Celebramos o dia festivo consagrado para nós pelo sangue dos apóstolos. Amemos a fé, a vida, os trabalhos, os sofrimentos, os testemunhos e as pregações destes dois apóstolos.

Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo
Séc. V

Fonte: Liturgia das Horas

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Festa Junina: conheça a origem e suas influências no Brasil

Foto: Lourdes Crespan
Missionárias, aspirantes e voluntários: festa junina! - Foto: Lourdes Crespan
Chegamos em junho, e as festas juninas tomam conta deste mês, animando nossa paróquia e muitas cidades do Brasil, onde comemoramos a devoção de grandes santos: Santo Antônio, São João, São Pedro, São Paulo, e essas comemorações são marcadas pelas deliciosas quermesses, quadrilhas, comidas típicas, bandeirinhas, além das peculiaridades de cada região.
Mas você conhece a origem desta festa? Qual o seu significado e como é celebrada em diversas regiões?
Aproveitamos este período para trazer a você um breve histórico sobre esta grande festa e quem sabe, possa animar você a preparar ou participar de uma deliciosa festa junina.
 
A origem da Festa Junina no Brasil e suas influências.
 
A relação destas festas com os santos católicos está no simples fato de coincidirem com o mês em que são celebrados no calendário litúrgico.
A tradição de comemorar o dia de São João veio de Portugal, onde as festas são conhecidas pelo nome de Santos Populares e correspondem a diversos feriados municipais: Santo Antônio, em Lisboa; São Pedro, no Seixal; São João, no Porto, em Braga e em Almada.
As festas que acontecem em todo o mês de junho são chamadas de "Festa Joanina", especialmente em homenagem a São João.
O nome joanina teve origem, segundo alguns historiadores, nos países europeus católicos no século IV. Quando chegou ao Brasil foi modificado para junina. Trazida pelos portugueses, logo foi incorporada aos costumes dos povos indígenas e negros.
Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos.
A dança de fitas, bastante comum no sul do Brasil, teria vindo da Península Ibérica, muito comum em Portugal e na Espanha.
As festas de São João ainda são comemoradas em alguns países europeus católicos, protestantes e ortodoxos. Em algumas festas europeias de São João são realizadas a fogueira de São João e a celebração de casamentos reais ou encenados, semelhantes ao casamento fictício, que é um costume na dança da quadrilha.
A influência brasileira na tradição da festa pode ser percebida na alimentação, quando foram introduzidos o aipim (mandioca), milho, jenipapo, o leite de coco e também nos costumes, como o forró, a quadrilha e o tambor-de-crioula.
As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas da Região Nordeste e as festas do Brasil caipira, ou seja, nos estados de São Paulo, Paraná (norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e Goiás.
Na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura. No Nordeste brasileiro se comemora, com pequenas ou grandes festas que reúnem toda a comunidade e muitos turistas.
Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos, onde encontra-se fartura de comida, quadrilhas, casamento matuto e muito forró. É comum os partcipantes das festas se vestirem de matuto, os homens com camisa quadriculada, calça remendada com panos coloridos, e chapéu de palha, e as mulheres com vestido colorido de xita e chapéu de palha.
Em Campina Grande, na Paraíba, a festa junina atrai milhares de pessoas. A canjica e a pamonha são comidas tradicionais da festa na região, devido à época ser propícia para a colheita do milho. O lugar onde ocorrem os festejos juninos é chamado de arraial, onde há barracas ou um galpão adaptado para a festa.
Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.

Comidas típicas.

Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos de milho: pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo e suco de milho são apenas alguns exemplos.
Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.
Que delícia! Só de imaginar tudo isto já dá água na boca.
Os grandes santos que comemoramos neste mês, mais do que ninguém souberam partilhar e amar a todos, por isso, acreditamos que a essência desta festa esta é o exercício da partilha. Guiados pelo amor e pela caridade destes santos populares, partilhe você também e participe desta festividade, na quermesse da sua paróquia, em casa com seus familiares e amigos, e assim preservar nossa cultura e o importante ambiente familiar. Vamos festejar sô!

Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo, rogai por nós!
 
Evandro Oliveira e Diana Darré
Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe
 
Fonte: História da Festa Junina - Origem da Festa Junina, www.brasilescola.com/detalhes-festa-junina/origem-festa-junina.htm‎

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Autocomunicação de massas


“A forma como pensamos,determina a forma como atuamos. Portanto, o que realmente condiciona o comportamento da sociedade é o que ocorre em nossas mentes” (Manuel Castells)

Leia na íntegra: http://colunas.revistagalileu.globo.com/colunistas/2013/06/12/o-ponto-em-comum-entre-a-praca-taksim-e-avenida-paulista/

quarta-feira, 12 de junho de 2013

A palavra é viva quando são as obras que falam

Quem está repleto do Espírito Santo fala várias línguas. As várias línguas são os vários testemunhos sobre Cristo, a saber: a humildade, a pobreza, a paciência e a obediência; falamos estas línguas quando os outros as vêem em nós mesmos. A palavra é viva quando são as obras que falam. Cessem, portanto, os discursos e falem as obras. Estamos saturados de palavras, mas vazios de obras. Por este motivo o Senhor nos amaldiçoa, como amaldiçoou a figueira em que não encontrara frutos, mas apenas folhas. Diz São Gregório: “Há uma lei para o pregador: que faça o que prega”. Em vão pregará o conhecimento da lei quem destrói a doutrina por suas obras.
 
Os apóstolos, entretanto, “falavam conforme o Espírito Santo os inspirava” (cf. At 2,4). Feliz de quem fala conforme o Espírito Santo lhe inspira e não conforme suas idéias! Pois há alguns que falam movidos pelo próprio espírito e, usando as palavras dos outros, apresentam-nas como suas, atribuindo-as a si mesmos. Destes e de outros semelhantes, diz o Senhor por meio do profeta Jeremias: “Terão de se haver comigo os profetas que roubam um do outro as minhas palavras. Terão de se haver comigo os profetas, diz o Senhor, que usam suas línguas para proferir oráculos. Eis que terão de haver-se comigo os profetas que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, que os contam, e seduzem o meu povo com suas mentiras e seus enganos. Mas eu não os enviei, não lhes dei ordens, e não são de nenhuma utilidade para este povo – oráculo do Senhor” (Jr 23,30-32).
 
Falemos, portanto, conforme a linguagem que o Espírito Santo nos conceder; e peçamos-lhe humilde e devotamente que derrame sobre nós a sua graça, a fim de podermos celebrar o dia de Pentecostes com a perfeição dos cinco sentidos e na observância do decálogo. Que sejamos repletos de um profundo espírito de contrição e nos inflamemos com essas línguas de fogo que são os louvores divinos. Desse modo, ardentes e iluminados pelos esplendores da santidade, mereceremos ver o Deus Uno e Trino.
 
Dos Sermões de Santo Antônio de Pádua
(Séc. XII)
 
Oremos:
 
Deus eterno e todo-poderoso, que destes Santo Antônio ao vosso povo como insigne pregador e intercessor em todas as necessidades,fazei-nos, por seu auxílio, seguir os ensinamentos da vida cristã, e sentir a vossa ajuda em todas as provações.Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
 
Santo Antônio, rogai por nós!
 
Fonte: Liturgia das horas
 
 
Assista também ao filme:
 
 

 
 

Missão: "Somente o Amor constrói"

Vanessa candido - MIPK
Encontro com as crianças - Foto: Vanessa Candido - MIPK
Nos dias 25 de maio a 2 de junho foi realizada uma semana missionária em um povoado do agreste alagoano, Cana Brava (Munícipio de São Sebastião, na direção de Arapiraca), na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, diocese de Penedo.

Foram visitadas as famílias de uma parte da Comunidade e a experiência foi muito bonita. Mais uma vez experimentamos que o estilo simples e fraterno, aproxima as pessoas, favorece o diálogo sobre o nosso relacionamento com Deus e com a comunidade, cria as condições para continuar a própria caminhada de fé. Esta semana de ‘missão’ foi para todos! A missão não quis dizer algo de importante somente a quem deixou, talvez, de participar da vida da comunidade paroquial ou se encontra às margens. A missão queria se dirigir antes de tudo a quem já participa da vida da Paróquia, faz parte dos diversos grupos e pastorais, se compromete diariamente em criar uma Paróquia viva e vivificante. E o recado foi lançado: todos estamos constantemente empenhados em ser “luz, sal e fermento” como nos diz Jesus. É um convite de sempre, mas que se torna especialmente urgente neste Ano da Fé!

Também as crianças que participaram numerosas e alegres ao encontro que foi organizado por elas, aprenderam nas brincadeiras, na escuta e no diálogo que  “Somente o Amor constrói”!
 
Missionária Maria Sanmarchi e Vanessa Candido
Maceió - AL
 

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Dia dos namorados!

Um dia no qual celebramos a amizade, a fidelidade, o respeito, a confiança e o amor entre duas pessoas. “Aos apaixonados um dia especialmente dedicado a eles”.

No Brasil comemora-se o dia dos namorados em 12 de junho, pois é a véspera da festa de Santo Antônio, o Santo conhecido como “casamenteiro”, porém em outros países comemora-se no dia 14 de Fevereiro, dia de São Valentim.

Um dia especial no ano dedicado apenas aos namorados, àqueles que plantam e semeiam o amor! É preciso amar, pois o amor é o maior de todos os mandamentos. Assim como nos diz em Marcos 12, 30-31 “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito e de todas as tuas forças. Eis aqui o segundo: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Outro mandamento maior do que estes não existem”.

Somos capazes de amar, pois Deus nos amou primeiro e devemos ser reflexo deste amor de Deus, assim buscar viver este amor em nossos relacionamentos. O amor a Deus deve ser maior do que tudo. Só assim saberemos amar o próximo com entendimento e sabedoria. Amar com respeito e fidelidade. Amar e buscar a Santidade a cada dia. O verdadeiro namoro é aquele que te leva a Deus.

Não só neste dia, mas todos os dias é dia de relembrar momentos, de amar, de presentear com os mais simples e puros gestos de carinho e amor pela pessoa amada! Deus não nos deixa de amar um só dia se quer, por isso devemos amar sem medidas.

Louve a Deus pelo seu namoro, que ele possa dar frutos constantemente, seja semeado em Cristo Jesus. Firmes na fé e na caridade.

Namoro deve ter propósitos, deve ouvir e seguir as vontades de Deus. Deve ser Santo! Não tenha medo de assumir um namoro Santo, que viva a castidade e que busque um futuro familiar de bons frutos.

“Quanto à palavra que nos demos um ao outro, o Senhor seja testemunha entre nós para sempre” (I Samuel 20, 23)

A todos os namorados, desejo um namoro Santo, vivenciado nos preceitos de Deus!

Que a Sagrada Família interceda por cada casal!

Deus abençoe!

Jacqueline Mendes

Dimensão cultual: Oração

A relação com Deus se alimenta com a busca dos diversos meios ou espaços de contato com Ele.
Além da vida litúrgica (santa missa e liturgia das horas), assumem particular importância as várias formas de Oração: meditação, exercícios de piedade, revisão de vida, exercícios espirituais.


Oração.

Sem oração o homem não chega à verdade nem descobre seu nome. Nossa existência é dom. Somos chamados pela palavra criadora de Deus e esta palavra é um convite para vivermos conscientemente em sua presença. Não podemos encontrar nossa identidade a não ser voltando-nos para Deus, que é origem e fim da nossa vida.

O que é a oração então?

As três notas indispensáveiscom que se caracteriza a realidade da oração são: a fé no Deus pessoal, vivo; a fé na sua presença real; o diálogo entre o homem e Deus.

a) Fé no Deus pessoal.

Não se fala de ideia, de coisa ou de força impessoal. Quem faz a experiência da oração sabe que se encontra diante da sabedoria suprema, que o conhece. Não basta a fé no significado da vida ou numa pessoa humana, mas é necessária a fé em Deus, no Amor.

b) Fé na presença real de Deus.

Quem faz oração tem fé na presença real e ativa de Deus, que se revela e que nos convida a que lhe respondamos: a fé vive de oração. No momento em que cremos realmente, expressamo-nos por meio da oração; e no ponto em que cessa a oração cessa também a fé viva.

c) Confiança em que o Deus que nos falou há de escutar a nossa oração.

A oração supõe, portanto, a relação tu-eu e eu-tu. A fé que dá força à oração pode ser condensada da seguinte forma: “Tu és e eu sou graças a ti e tu me convidas a viver contigo”.

Onde se faz oração com fé viva, aí está a presença do Espírito de Deus.

O cristão que reza sabe o que é a vida eterna: conhecer a Deus como Pai do Senhor Jesus, conhecer Cristo como verdadeiroDeus e verdadeiro homem, mediador entre nós e o Pai, e crer no Espírito Santo que ora em nós.

Abbá, Pai!

Todas as orações de todos os tempos alcançam seu ápice em Cristo, que chama o Deus onipotente de “Pai” de forma única: “Abbá , Pai!”; com este nome Jesus nos convida e nos ensina a nos dirigirmos a Deus. O ressuscitado diz a Maria Madalena: “Subo a meu Pai e vosso Pai, a meu Deus e vosso Deus!” (Jo 20,17). Não cremos apenas no Deus pessoal, criador, onipotente, mas nós o amamos e o adoramos como Pai, nosso e do Senhor Jesus. Isso nos dá uma confiança única.

Cristo tornou o Pai visível. Mas nossa oração não poderá unir-se à sua quando invoca o Pai, se nós não nos unimos também ao amor que ele manifestou por todos os homens.

Oração em Cristo e a Cristo.

Em Cristo o Pai está mais perto de nós e manifesta-se como “Deus conosco”. Somente em Cristo podemos atrever-nos a dizer “Pai nosso”. É Cristo que nos mostra o valor do orar com confiança; com Ele aprendemos a adorar a Deus em espirito e em verdade, e esta adoração só tem valor enquanto se une à sua e é oferecida em seu nome.

Na liturgia, nossa oração costuma dirigir-se ao Pai por meio de Cristo. Ele, verdadeiro homem, assume nossas orações e lhes dá o valor da sua. Mas Jesus é também verdadeiro Deus; por isso nossa oração litúrgica comunitária e pessoal, pode dirigir-se diretamente a Ele.

Creio no Espírito Santo

A oração cristã expressa a fé viva na Trindade. Cremos no Espírito Santo, doador de vida e que é adorado juntamente com o Pai e com o Filho. Podemos adorar a Deus em espirito e em verdade justamente porque somos filhos de Deus guiados pelo Espírito.

“Com efeito, não recebestes espirito de escravos, para recair no temor, mas recebestes espírito de filhos adotivos, pelo qual clamamos: Abbá, Pai! O próprio espírito se une ao nosso espírito para testemunhar que somos filhos de Deus” (Rm 8,15-16).

É o Espírito Santo que nos dá a sabedoria e o gôsto pela oração correta. Torna-nos vigilantes na espera do Senhor e atentos aos sinais dos tempos, que são os sinais da presença de Deus. E assim torna-se possível, graças ao Espírito, a oração, que é integração entre fé e vida.

Marina Melis
Diretora local

Oração de reflexão diária "Rezar o meu dia": https://www.youtube.com/watch?v=5LnelCWD1ro

domingo, 9 de junho de 2013

Meeting Internacional de JMI e a JMJ

Salve Maria Imaculada!

Eis que se aproximam os nossos grandes eventos: o Meeting Internacional de Jovens da Milícia da Imaculada e a Jornada Mundial da Juventude!

Milhares de jovens estão vivendo de uma o outra forma esta preparação. Há algum tempo, os jovens da Milícia da Imaculada, em comunhão e unidade com outros grupos da Paróquia Santíssima Virgem, e dos lugares onde nós, Missionárias da Imaculada-Padre Kolbe, estamos presente, vem tendo uma árdua preparação, tanto na parte da espiritualidade, como na parte prática do trabalho, tal qual, sempre no desejo de tornar real este sonho de tantos jovens que participarão do Meeting e da JMJ.

Nós, Missionárias, acreditamos na potencialidade do jovem, a sua garra e coragem para enfrentar a vida, com otimismo e esperança, e, é por isto que o nosso trabalho de acompanhá-los, para assim, construir juntos este Reino de Deus já presente entre nós, se intensifica cada vez mais. Ao longo destes meses vivido com diferentes sentimentos, ora o cansaço ora o medo, e ainda a incerteza, mas sempre permanecendo firmes na fé, como nos catequizou e encorajou a anterior JMJ realizada em Madri 2011.

É a este propósito, que estamos partilhando a nossa programação destes dois grandes eventos, e, de alguma ou outra forma, você faz parte dele. Desde já, pedimos ajuda a Nossa Senhora para conduzir estes dias na paz e na fraternidade. Assim, seremos discípulos e missionários de Cristo em qualquer lugar, tempo e espaço.

Missionária Laida Nuñez

Conheça a Programação Geral do Meeting e da JMJ: http://goo.gl/dLC5W

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Festa do Imaculado Coração de Maria

Nós católicos, temos que intensificarmos nossa devoção ao Imaculado Coração de Maria, pois foi esse coração que disse SIM ao Anjo Gabriel para nos trazer o Salvador. Coração que se abriu à dedicação e ao sofrimento, sem reservas. Nosso modelo de fé, esperança e caridade. Um coração puro, sem a mácula do pecado, que colaborou para Nossa Salvação.

Essa Festa nos recorda a devoção dos primeiros sábados do mês. O Sábado foi sempre dedicado a Nossa Senhora, pois assim como no Sábado de Aleluia, recordamos sua presença de fé no momento em que a solidão parecia tomar conta dos corações dos discípulos e seguidores de Jesus, Ela sempre se fez e faz presente, como nossa medianeira e como nossa maior intercessora, abriu seu coração para acolher nossa solidão, nossas angústias, nossos medos e preenchê-lo de paz, ternura e amor, e assim, nos apresentar e nos colocar no colo de Jesus.

Essa devoção surgiu com os membros de várias confrarias do Rosário que tinham o costume de dedicar quinze sábados seguidos à Rainha do Santíssimo Rosário.

O Papa São Pio X, aprovou oficialmente a devoção dos primeiros sábados do mês: "Todos os fiéis que, no primeiro sábado ou no primeiro domingo de doze meses seguidos, dedicarem algum tempo à oração vocal ou mental em honra da Imaculada Conceição da Santíssima Virgem ganham, em cada um desses dias, uma indulgência plenária. As condições são: confissão, comunhão e oração pelas intenções do Soberano Pontífice".

A devoção ao Sagrado Coração de Maria foi intensificada com as aparições em Fátima, onde contava a Irmã Lúcia que Nossa Senhora dizia: “…para salvar as almas, Deus quer estabelecer no mundo a Devoção ao Meu Imaculado Coração” (in Memórias da Irmã Lúcia).

O papa Pio XII, consagrou o mundo inteiro ao Imaculado Coração de Maria a 31 de Outubro de 1942.

A principal oração que podemos rezar neste dia é a Consagração a Imaculada. A consagração nos permite entrar no coração de Maria e permanecer sob sua proteção e intercessão.

Consagremo-nos então ao Imaculado Coração de Maria, com o desejo de pertencer plenamente em seu amor e em comunhão ao Sagrado Coração de Jesus e toda a Igreja, afim de não desistir diante das dificuldades na caminhada, mas pelo contrário, para que nestes momentos Ela esteja ao seu lado e você possa se sentir amado(a), e ter fé e coragem para seguir em frente, ela que acreditou e meditou tudo em silêncio em seu coração, foi capaz de transformar o sofrimento e aceitar a humanidade como seus filhos, por amor, e o desejo de amar e estar sempre com você.

Rezemos:

Virgem Imaculada! Minha Mãe Maria!
Eu renovo hoje e sempre,
a consagração de todo o meu ser,
para que disponhais de mim para o bem de todos.
Somente peço, que eu possa,
minha Rainha e Mãe da Igreja,
cooperar fielmente com a vossa missão de construir
o Reino de vosso Filho Jesus no mundo.
Para isso, vos ofereço minhas orações, sacrifícios e ações.


Ó Maria concebida sem pecado,
rogai por nós que recorremos a vós
e por todos quantos não recorrem a vós,
especialmente pelos inimigos da Santa Igreja
e por todos quantos são a vós recomendados.


Feliz festa!

Diana Darre e Evandro Oliveira
Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe 

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Sagrado Coração de Jesus: fazei que eu te ame cada vez mais

 
A Festa do Sagrado Coração de Jesus é comemorada na segunda Sexta-feira, após a solenidade de Corpus Christi.

A sexta-feira sempre nos recorda a sexta-feira Santa, quando Jesus se entregou por amor à nós na Cruz, e quando o soldado atirou a lança que abriu o peito de Jesus, jorrando sangue e água. Que é fonte de misericórdia para nós, onde vemos um coração coroado de espinhos em que devemos sem medo, confiar a Ele nossas dificuldades, nossas aflições, nossas alegrias.

O coração é nosso órgão vital, onde bombeia o sangue para todo o nosso corpo e faz gerar a vida em nós. Você já contemplou uma imagem do Sagrado coração de Jesus? Pois nesse dia, eu te convido a separar alguns minutos para entrar dentro desse coração. Um coração que não julga, que não pesa, que não destrói. Um coração onde encontramos uma paz tão forte que o que está escuro e pesado, passa a ser transparente e leve, podemos sentir seu efeito e seu poder que nos encoraja e impulsiona a viver.

Foi exatamente essa experiência que a Santa Margarida Maria Alacoque viveu em 1675, durante a oitava do Corpus Christi - Jesus manifestou-se-lhe com o peito aberto e apontando com o dedo seu Coração, exclamou: "Eis o Coração que tem amado tanto aos homens a ponto de nada poupar até exaurir-se e consumir-se para demonstrar-lhes o seu amor. E em reconhecimento não recebo senão ingratidão da maior parte deles".  

Durante as revelações de Jesus à Santa, Ele revelou o desejo dessa Festa e também deixou as famosas 12 Promessas do Sagrado Coração de Jesus:

1. Dar-lhes-ei todas as graças necessárias ao seu estado de vida.
2. Estabelecerei a paz nas suas famílias.
3. Abençoarei os lares onde for exposta e honrada a imagem do Meu Sagrado Coração.
4. Hei-de consolá-los em todas as dificuldades.
5. Serei o seu refúgio durante a vida e em especial na hora da morte.
6. Derramarei bênçãos abundantes sobre todos os seus empreendimentos.
7. Os pecadores encontrarão no Meu Sagrado Coração uma fonte e um oceano sem fim de Misericórdia.
8. As almas tíbias tornar-se-ão fervorosas.
9. As almas fervorosas ascenderão rapidamente a um estado de grande perfeição.
10. Darei aos sacerdotes o poder de tocarem os corações mais empedernidos.
11. Aqueles que propagarem esta devoção terão os seus nomes escritos no Meu Sagrado Coração e d’Ele nunca serão apagados.
12. Prometo-vos, no excesso de Misericórdia do Meu Coração, que o Meu Amor Todo-Poderoso concederá, a todos aqueles que comungarem na Primeira Sexta-Feira de nove meses seguidos, a graça da penitência final; não morrerão no Meu desagrado nem sem receberem os Sacramentos: o Meu Divino Coração será o seu refúgio de salvação nesse derradeiro momento.


Chego a me arrepiar quando leio essas promessas, em especial quando Ele promete que será o nosso refúgio de salvação na hora de nossa morte.

Você já ouviu falar sobre a entronização doméstica do Sagrado Coração de Jesus? Eis um assunto muito oportuno nessa festa que recomendo você a conhecer.

Diana Darre e Evandro Oliveira
Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe

Não perca amanhã a publicação sobre a festa do Imaculado Coração de Maria!