terça-feira, 31 de julho de 2012

Santo Inácio de Loyola: presbítero e fundador

"Inácio (Espanha, 1491-1556), enquanto se recuperava de um ferimento sofrido em batalha, dedicou-se à leitura da vida de Cristo e por ela foi cativado. É o fundador da Companhia de Jesus (Jesuítas).
Deixou aos seus confrades e a toda a Igreja grande herança espiritual." (Liturgia diária)


Rezemos e cantemos com Santo Inácio:

Tomai, Senhor, e recebei
Toda a minha liberdade, a minha memória também.
O meu entendimento e toda a minha vontade
Tudo o que tenho e possuo, vós me destes com amor.
Todos os dons que me destes, com gratidão vos devolvo
Disponde deles, Senhor, segundo a vossa vontade.
Dai-me somente, o vosso amor, vossa graça
Isto me basta, nada mais quero pedir.

http://www.dailymotion.com/video/x701nn_oracao-de-santo-inacio-de-loiola_music

Santo Inácio de Loyola, rogai por nós!

segunda-feira, 30 de julho de 2012


Sementes lançadas

Oficina de Jornalismo Impresso
"Ide pelo mundo e anunciai o evangelho" (Mc 16,15). Este é o mandato de todos os cristãos: anunciar a boa-nova do reino. Seguindo o convite do Mestre, nós saímos para semear...
No domingo, dia 29 de julho, aconteceu a segunda oficina de jornalismo impresso, ministrada pela profa. Margarete Vieira Pedro, da Universidade Metodista de São Paulo. O evento foi promovido pela Pastoral da Comunicação da Diocese de Santo André, coordenada pela Missionária Lourdes Crespan.
Esta oficina foi organizada pelos agentes da Paróquia Santo Antônio, do bairro Batistini, em São Bernardo do Campo, SP. Contou com a  presença de reponsáveis da região de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Mauá, do movimento da Milícia da Imaculada,  das Missionárias e dos Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe.
Para a Missionária Rosana, "foi interessante saber e viver, 'um pouquinho' como funciona o jornal por 'dentro', isto é, compreender o processo de um trabalho - as suas relações - até o seu resultado final".
Ainda neste mesmo dia, outras sementes foram lançadas. A Missionária Edvanda Leal participou de um encontro de formação, espiritualidade e recreação com os Jovens Kolbianos da Paróquia São Maximiliano Kolbe, no Riacho Grande: "Foi um dia rico de experiências, pude perceber que mais do que propostas prontas, os jovens necessitam de compreensão, apoio e ser escutado". A Missionária ressaltou também que para "trabalhar com a juventude é necessário se encantar por ela".
Mas a alegria não está somente no servir, mas na vida fraterna. Portanto, no sábado, dia 28, nos reunimos com os aspirantes e voluntários da nossa família consagrada. Os Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe são membros consagrados à nossa espirtiualidade mariana, missionária e kolbiana. Vivemos a nossa festa junina. Partilhamos a alegria de estarmos unidos a Cristo por meio da Imaculada. Festejamos o nosso ser família na Igreja Católica Apostólica Romana.

Mais informações: https://www.facebook.com/pages/Mission%C3%A1rias-da-Imaculada-Padre-Kolbe/392643354093325
É sempre bom partilhar a nossa história de fé, de vida!

Uma das experiênciasmais lindas que eu faço é partilha da vida. E neste caso, foi da minha vida.
Neste finalde semana, aconteceu o 117º tradicional Encontro de Casais com Cristo na Paróquia Santíssima Virgem, em São Bernardo do Campo, SP. Os responsáveis do Encontro de Casais com Cristo nos convidaram a partilhar sobre a nossa experiência vocacional. Eu, Laida Nuñez, tive a sorte de ser a escolhida.
Foi tão bom poder estar junto destes casais, na sua maioria jovens e partilhar o caminho de amor que Deus um dia começou a escrever na linhas tortas da minha vida. Relembrar os detalhes de como aconteceu meu chamado, me fez sentir no coração, muita gratidão e muita vontade de continuar doando e gastando a minha vida nesta terra de missão.
Sou grata a Deus porque ele escolhe pessoas, situações e até opções de vida diferentes, mas todas direcionadas a verdadeira felicidade humana, para estar e permanecer junto dele.
Foi uma tarde muito agradável!
Agradeço a oportunidade e peço a Deus que continue chamando muitos jovens nos seu seguimento.

Laida Nuñez

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Sempre é tempo de festejar

Com a dança da quadrilha, roupas de caipira, comidas e brincadeiras típicas da festa, mais um ano, o Centro Social Maximiliano Kolbe realizou a festa junina - onde comemoramos Santo Antônio (13), São João (24), São Pedro e São Paulo (29) - junto às crianças e adolescentes que lá participam.
Sabemos quão importante é manter viva a cultura do nosso povo e oferecer alegria, diversão e entretenimento principalmente àqueles que vivem em situações de vulnerabilidade social e, em muitos casos, este é um dos poucos momentos em que podem partilhar a alegria de celebrarem juntos.
O Arraiá foi muito divertido e gratificante, pois, não teria nada melhor do que vê-los indo embora com grandes sorrisos de felicidade e vontade de continuar a festa.

Daiane Sousa

Conheça mais sobre o Centro Social: http://centrosocialmaximilianokolbe.wordpress.com/

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Retiro anual do Regional São Paulo dos Institutos Seculares

Do nosso Instituto participaram as Missionárias Rosana, Edvanda e Aurora
“A Palavra de Deus como fonte de conversão individual, eclesial e social” este foi o tema refletivo no retiro dos leigos e leigas consagradas de diferentes Institutos Seculares da região de São Paulo, dentre os quais o das Missionárias da Imaculada-Padre Kolbe, que aconteceu dos dias 20 à 22 de julho. Nós, missionárias, participamos deste momento aproveitando para rezar e criar laços de comunhão com outros leigos consagrados na Igreja. Num clima sereno e familiar pudemos trocar experiências de vida e de missão, nos sentindo animadas com o testemunho de que vale a pena ser uma pessoa consagrada a Deus e ao seu serviço. Por conta dessa missão, também estamos participando do Congresso Mundial dos Institutos Seculares que está acontecendo em Assis, Itália dos dias 24 à 26 de julho. Neste congresso, cujo o tema é “À escuta de Deus ‘nos sinais (sulcos) da história’: a secularidade fala à consagração”  as missionárias Raffaela Aguzoni e Anna Brizzi, junto com outros  consagrados do mundo inteiro, refletem e compartilham a missão de ser uma presença de Deus diante dos desafios contemporâneos.

Rosana de Jesus Coelho

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Herdeiras de um grande ideal

No dia 14 de agosto de 1941, no campo de consagração de Auschwitz - Polônia, São Maximiliano Kolbe entregou espontaneamente sua vida para salvar a de um pai de família.
Morreu após ter recebido uma injeção de ácido fênico. Seu corpo foi cremado e sua cinzas espalhadas ao vento.
Do seu testemunho de vida nasce, em 1954, em Bolonha, Itália, o Insituto Secular Missionárias da Imaculada-Padre Kolbe, de direito pontifício, fundado por Padre Luigi Faccenda.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Meu Senhor e meu Deus!

Caravaggio - A incredulidade de São Tomé
"Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio" (Jo 20,24). Era o único discípulo que estava ausente. Ao voltar, ouviu o que acontecera, mas negou-se a acreditar. Veio de novo o Senhor, e mostrou seu lado ao discípulo incrédulo para que o pudesse apalpar; mostrou-lhe as mãos e, mostrando-lhe também a cicatriz de suas chagas, curou a chaga daquela falta de fé. Que pensais, irmãos caríssimos, de tudo isto? Pensais ter acontecido por acaso que aquele discípulo estivesse ausente naquela ocasião, que, ao voltar, ouvisse contar, que, ao ouvir, duvidasse, que, ao duvidar, apalpasse, e que, ao apalpar, acreditasse?

Nada disso aconteceu por acaso, mas por disposição da providência divina. A clemência do alto agiu de modo admirável a fim de que, ao apalpar as chagas do corpo de seu mestre, aquele discípulo que duvidara curasse as chagas da nossa falta de fé. A incredulidade de Tomé foi mais proveitosa para a nossa fé do que a fé dos discípulos que acreditaram logo. Pois, enquanto ele é reconduzido à fé porque pôde apalpar, o nosso espírito, pondo de lado toda dúvida, confirma-se na fé. Deste modo, o discípulo que duvidou e apalpou tornou-se testemunha da verdade da ressurreição.

Tomé apalpou e exclamou: "Meu Senhor e meu Deus!" Jesus lhe disse: "Acreditaste, porque me viste?" (Jo 20,28-29). Ora, como diz o apóstolo Paulo: "A fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se vêem" (Hb 11,1). Logo, está claro que a fé é a prova daquelas realidades que não podem ser vistas. De fato, as coisas que podemos ver não são objeto de fé, e sim de conhecimento direto. Então, se Tomé viu e apalpou, por qual razão o Senhor lhe disse: "Acreditaste, porque me viste?" É que ele viu uma coisa e acreditou noutra. A divindade não podia ser vista por um mortal. Ele viu a humanidade de Jesus e proclamou a fé na sua divindade, exclamando: "Meu Senhor e meu Deus!" Por conseguinte, tendo visto, acreditou. Vendo um verdadeiro homem, proclamou que ele era Deus, a quem não podia ver.

Alegra-nos imensamente o que vem a seguir: "Bem-aventurados os que creram sem ter visto" (Jo 20,29). Não resta dúvida de que esta frase se refere especialmente a nós. Pois não vimos o Senhor em sua humanidade, mas o possuímos em nosso espírito. É a nós que ela se refere, desde que as obras acompanhem nossa fé. Com efeito, quem crê verdadeiramente, realiza por suas ações a fé que professa. Mas, pelo contrário, a respeito daqueles que têm fé apenas de boca, eis o que diz São Paulo: "Fazem profissão de conhecer a Deus, mas negam-no com a sua prática" (Tt 1,16). É o que leva também São Tiago a afirmar: "A fé, sem obras, é morta" (Tg 2,26).

Das homilias sobre os evangelhos, de São Gregório Magno, Papa (séc. VI)

Fonte: Liturgia das horas