quinta-feira, 16 de agosto de 2012



Os Insitutos Seculares
A escuta de Deus nos sulcos da história: a secularidade fala a consagração


É-me grato fazer chegar aos membros dos Institutos Seculares a presente Mensagem do Santo Padre, na ocasião do Congresso que se celebra em Assis e que está sendo organizado pela Conferencia Mundial dos Institutos Seculares com a finalidade de tratar sobre o tema A escuta de Deus nos sulcos da história: a secularidade fala a consagração.
Esta importante temática coloca o acento sobre a vossa identidade como consagrados que, vivendo no mundo na liberdade interior e na plenitude do amor, que derivam dos conselhos evangélicos, os reconhece como homens e mulheres capazes de um profundo olhar e do bom testemunhono interior da história. Nosso tempo ascende à vida e a fé, interrogando profundamente, embora ao mesmo tempo manifeste o mistério da nupcialidade de Deus. Na realidade, o Verbo que se fez carne celebra as núpcias de Deus com a humanidade de cada épocaracterísticos de Jesus, pobre, casto e obediente adquire uma típica e permanente “visibilidade” no meio do mundo (Cfr. Exorta. Ap. Vita Consecrata, 1). Sua santidade deseja assinalar três âmbitos sobre os que haverão de concentrar a atenção.
1. Em primeiro lugar, a doação de suas vidas como resposta a um encontro pessoal e vital com o amor de Deus. Vocês descobriram que Deus é o todo para si mesmo, decidiram dar todo a Deus, fazendo-o de maneira particular: permanecendo leigos entre os leigos, presbíteros entre presbíteros. Isto exige particular vigilância porque seus estilos de vida manifestam a riqueza, a beleza e a radicalidade dos conselhos evangélicos.ca. É o mistério de séculos em séculos escondido na mente do Criador do universo (Cfr. Ef. 3,9) e manifestado na Encarnação, projetado para sua realização futura, pois entrelaçado hoje, como força redentora e unificadora.
Inserido no interior da humanidade a caminho, inspirados pelo Espírito, podemos reconhecer os sinais discretos e às vezes escondidos que revelam a presença de Deus. Somente a graça e a força da graça, que os Dons do Espírito podem iluminar os caminhos, constantemente modificados nos acontecimentos humanos na orientação para a plenitude da vida em abundância.  Um dinamismo que representa, além da aparência, no verdadeiro sentido da história os designíos de Deus. A vocação de vocês é de está no mundo assumindo todos os cargos, os anseios, com um olhar humano que coincida sempre com o divino, donde brota um compromisso original, peculiar, fundamentado sobre a consciência de que Deus escreve sua história de salvação no trama dos acontecimentos de nossa história.
Neste sentido, a identidade de vocês afirma também um aspecto importante sua missão na Igreja: ajuda-la a realizar seu ser no mundo, a luz das palavras do Concilio Vaticano II:
“Nenhuma ambição terrena empurra a Igreja; ela somente busca isto: continuar, abaixo da luz do Espirito consolador, a mesma obra de Cristo, que veio ao mundo para dar testemunho da verdade, salvar, não condenar, servir, não ser servido (Const. Gaudium et Spes, 3). A teologia da história é parte essencial da nova evangelização, porque os homens de nosso tempo têm necessidade de reencontrar um olhar global sobre o mundo e sobre o tempo, um olhar verdadeiramente livre e pacifico (Cfr. Bento XVI, Homilia na Santa Missa para a  nova evangelização, 16 de outubro, 2011). O mesmo Concilio nos recorda que a relação entre a  Igreja e o mundo há de ser vivido como sinal da reciprocidade, evidente  que não é só da Igreja a doação ao mundo, contribuindo para fazer mais humana a família e os homens com suas histórias, também o mundo deve se doar a Igreja, de maneira tal  que ela possa compreendê-la melhor e viver melhor sua missão, (Cfr. Gaudium et Spes, 40-45).
Os trabalhos que vocês se dispõem a desenvolver se conserve logo no especifico da consagração secular, na busca de como a secularidade fala a consagração, de como em suas vidas os traços
2. Em segundo lugar, a vida espiritual. Ponto firme e irrenunciável, referência segura para nutrir aquele desejo de fazer-se unidade em Cristoque é força da existência total de todo cristão, mas ainda, de quem respondeu a um chamado radical o dom do sim. Medida da profundidade da vida espiritual de vocês não são as muitas atividades que exigem seus esforços, mas sim a capacidade de busca a Deus no coração, mesmo emcada acontecimento e dereconduzir para Cristo. É o “reunir” em Cristo todas as coisas como fala São Paulo (Cfr. Ef. 1,10). Somente em Cristo, Senhor da história, toda a história e todas as histórias encontram sentido e unidade.
Em oração, como, na escuta da Palavra de Deus se alimenta este anseio. Na celebração Eucarística vocês encontram a razão de fazer-se pão de Amor partido para os homens. Na contemplação, no olhar de fé iluminado pela graça, se enraíza o compromisso de compartilhar com cada homem e com cada mulher as inquietações profundas que os habitam, para construir esperança e confiança.
3. Em terceiro lugar, a formação, que não negligencia nenhuma idade estabelecida, porque o que se trata de viver a própria vida em plenitude educa-se na sapiência sempre consciente da criatura humana e da grandeza do Criador. Busquem conteúdos e modalidades de uma formação que lhes faça, leigos e presbíteros capazes de desejar-se interrogar pelas complexidades que atravessa o mundo de hoje, de permanecerem abertas as inquietações provenientes das relações com os irmãos que encontram em seus caminhos, de comprometer-se em discernimento da história e da luz da Palavra de Vida. Sejam disponíveis a construir com todos os que buscam a verdade projetos de bem comum, sem soluções preconcebidas e sem medo às perguntas que são sem respostas, e sempre prestes a colocar em risco a própria vida, com a certeza que o grão de trigo quando cai na terra, dá muito fruto (Cfr. Jo. 12,24). Sejam criativos, porque o Espirito constrói novidades; alimente olhares capazes de futuro e raízes sólidas em Cristo Senhor para poder comunicar também ao nosso tempo a experiência de amor que está na base da vida de todo homem. Estreitem caritativamente as feridas do mundo e da Igreja. Acima de tudo, viva uma vida coerente e plena, acolhedora e capaz de perdoar, por está fundada em Cristo Jesus, Palavra definitiva do Amor de Deus pelo homem.
Entretanto o sumo Pontífice lhe faz chegar estas reflexões, assegurando para o Congresso e Assembleia uma especial recordação na oração, invocando a intercessão da Bem Aventurada Virgem Maria, que viveu no mundo a perfeita consagração a Deus em Cristo. De todo coração ele envia a vocês e a todos os participantes as Bênçãos Apostólicas.  
Também me uno pessoalmente, com meus melhores desejos e aproveito esta circunstância para chegar a vocês com sentimentos de grande estima.

Card. Tarcisio  Bertone - SDB
Secretário de Estado de Sua Santidade

Vaticano, 18 de julho de 2012