quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Festa de São Maximiliano Kolbe

“A oração é um meio desconhecido e, todavia, o mais eficaz para restabelecer a paz nas almas, para dar a  estas a felicidade”. São Maximiliano

Caríssimas missionárias e voluntários, 

Quero propor, para a festa de São Maximiliano, uma reflexão sobre um momento da vida de Pe. Kolbe em diálogo com seus frades, que o nosso padre Luigi muitas vezes citou nos seus escritos para lembrar-nos de um valor fundamental para a nossa vida cristã e consagrada: a importância de uma sólida vida espiritual.

“As publicações estão no topo, as tiragens chegam às estrelas. Setecentos frades se consagram, sem reservas, ao apostolado “mais moderno” da época: a imprensa. Eis um breve momento de “relax”, no fim da tarde. Estes circundam o seu Padre, que naquela tarde apresenta-lhes uma armadilha. Depois de ter abraçado a todos com o olhar intenso e penetrante, pergunta  a queima-roupa: “E agora, o que devemos fazer?”.

Um pouco surpresos, os frades começam a refletir: os chefes de grupos, os especialistas logo têm uma resposta. Um jovem, cheio de energia, esclarece a situação: “Tudo o que precisa fazer é dobrar o rendimento!”. Segue um momento de silêncio. O Padre com a cabeça baixa parece estar absorto em oração. Mas eis que uma voz tímida se faz ouvir: “Precisa antes de tudo crescer interiormente, o rendimento será uma consequência disso...”. Os frades trabalhadores nunca viram o Padre tão feliz e radiante, como quando ouviu aquela resposta. Explodia de alegria. “Sim, meus filhos, é exatamente a qualidade que conta antes de tudo! A quantidade nos será dada por acréscimo...”

Consequentemente, mesmo que tivéssemos que suspender as nossas obras, mesmo se devêssemos nos dispersar como folhas espalhadas por um vento de outono, se no fundo do nosso coração o ideal de Niepokalanow permanecer e continuar a florescer, ai então poderemos dizer que estamos em pleno progresso...” (Orientações de Vida Espiritual, VIII pp. 269-270).

O Papa Francisco também nos exorta a não “não nos cansemos de procurar o Senhor — de nos deixarmos buscar por Ele — de cuidar da nossa relação com Ele no silêncio e na escuta orante. Mantenhamos fixo o nosso olhar sobre Ele, centro do tempo e da história; reservemos espaço à sua presença em nós; é Ele o princípio e o fundamento que cobre de misericórdia as nossas debilidades e tudo transfigura e renova; Ele é aquilo que de mais precioso somos chamados a oferecer à nossa gente (...) Dele — ainda que o ignorasse — vive cada homem” (19 de maio de 2014).

Caríssimos, quantas vezes nós também experimentamos na nossa vida que somente na relação constante com Deus se pode encontrar a força para viver intensamente cada acontecimento, sobretudo os mais sofridos. Com grande confiança, portanto, peçamos ao “Patrono dos nossos tempos difíceis” para interceder pelo dom da paz na Terra Santa e pela liberdade religiosa dos cristãos perseguidos no Oriente Médio. Entregamos a São Maximiliano o próximo ano jubilar para que possamos vivê-lo em espírito de louvor, agradecimento e humildade.

O meu desejo para esta festa é que todos possamos crescer na amizade com o Senhor, em alegrar-se com a sua Palavra para ser em todos os lugares portadores de paz e alegria evangélica.
Um abraço fraterno a todos e às suas famílias!

Giovanna Venturi
Diretora Geral do Instituto