quarta-feira, 7 de maio de 2014

Ser mãe

“Ser mãe”, acontece no dia em que saímos do aconchego do colo da nossa mamãe e passamos a ser este colinho... para alguém especial que nos fará conhecer um amor jamais sentido...

É ser feliz, por ver o sorriso estampado no rosto do filho...

É sentir-se satisfeito, porque o  filho acabou de almoçar...

É ficar alegre, porque o filho está brincando, alegre e saudável...

É sentir-se amada, quando ganha um beijo, um abraço, ou uma frase: “nossa mamãe, você está linda!”...

É ver os primeiros passinhos... ouvir as primeiras palavrinhas... estar ao lado e acolher o primeiro tombo...

É dar o beijo milagroso, que cura qualquer dor ou machucado...

É aceitar que sua casa fique bagunçada, porque ao olhar e recolher cada brinquedo espalhado, você lembra o quanto estavam felizes brincando e transformando organização em faz-de-conta...

É rir daquilo que só você acha engraçado nos filhos...

É querer partilhar o tempo todo com os outros as conquistas, o crescimento do filho...

É querer que o tempo pare... para você aproveitar cada segundo ao lado do filho...

É buscar forças sempre, porque alguém está precisando...

É vencer as batalhas do cansaço, da dor, do medo, porque alguém precisa que você esteja bem, feliz, completa, com um sorriso e braços abertos para sempre acolher, consolar e amar...

É pensar no meio da dor, do desespero, do problema mais grave, como Nossa Senhora resolveria, e encontrar Nela, no seu exemplo, o amparo, a força e sabedoria necessária para continuar...

É dar carinho, abraço, beijinho; mas também dizer o não no momento preciso...

“Ser mãe”, é ser capaz de encontrar graça, beleza e felicidade nas menores e mais simples coisas da vida: um olhar... um gesto... uma palavra... um carinho... uma gracinha...

“Ser mãe”, é tudo isto e mais um pouquinho... eu diria até, que é uma das formas mais próximas de conhecer o amor de Deus!

Rosana Aparecida Muniz Friolani Scalez
Voluntária da Imaculada-Padre Kolbe