segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

No findar de mais um ano...
 
Ó tu, que és o senhor do tempo e da eternidade,
teus são o hoje e o amanhã, o passado e o futuro.
No findar de mais um ano, quero muito te agradecer.
Foi muito o que recebi de ti.
Deste-me, por mais um tempo, a vida,
por pura benevolência.
E ainda mais longe foi a tua bondade.
Fizeste brilhar sobre mim teu sol,
a luz que me fez ver quão belo é tudo que criaste.
Deste-me os dias e o trabalho,
a noite e o repouso,
as alegrias para que meu ânimo não se extinguisse,
as tristezas para que, nelas,
minha esperança se fortalecesse.
Por tudo aquilo que recebi de ti,
eu te agradeço.
Aqui está, diante de ti,
tudo que fui e fiz neste ano que se encerra.
Tanto mais poderia ter sido,
pelo muito que me deste,
em forças e chances.
Recebe-o, Senhor,
como uma humilde oferenda
e uma prece vespertina,
no entardecer de mais um ano.
Perdoa-me pelo sagrado tempo que perdi,
pelo cuidado que não tive
com tuas criaturas e meus irmãos,
pela bondade que poderia ter sido,
por minhas palavras e minhas mãos.
Pela coragem que não tive,
em seguir a verdade que me deixaste ver.
Perdão pela tibieza e pelo desânimo:
eles roubaram minha força
e fizeram-me parar ainda tão longe
de onde me querias e eu mesmo desejava.
Recobre-me, Senhor,
no anoitecer de mais um ano,
com o manto de tua bondade.
Recolhe-me no teu perdão.
Dá-me repousar em ti e em tua força,
para que, se assim me deres,
eu retome o amanhã do novo ano,
fortalecido por tua graça
e, então, conte todos os dias que me restam
como pérolas de uma jóia:
a minha vida, em teu mundo, na tua presença.
Amém.
 
Latus de Mediavilha (1252-1308)