domingo, 23 de dezembro de 2012

Diante do presépio
 

Caminhamos rumo a Belém. No caminho encontramos o presépio. Paramos e contemplamos a beleza e a ternura dessa cena: Maria ao lado do seu esposo José e, entre eles, a manjedoura. Os pais com grande alegria sonham com o filho que irá nascer! Hoje, nossos corações são a manjedoura onde o menino Jesus quer deitar para que cada um de nós possa cuidar dele e testemunhá-lo com amor e carinho.

Consagremos a Deus o caminho que nos leva ao encontro com Jesus (enquanto se canta uma pessoa entra com a vela acesa e a coloca ao lado do presépio já preparado anteriormente).

A: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

L1: Maria, mãe e rainha nossa, foste por Deus escolhida para receber a visita do anjo que veio anunciar que ias ser a mãe do nosso Salvador. Com a graça do Espírito o teu seio gerou o Filho de Deus.

Leitura: Lc 1,34-37

L2: Diante de tão grande mistério, estamos aqui para meditar os motivos que nos levam também a dizer sim ao projeto de Deus em nossa vida, mesmo sabendo que nesse caminho que trilhamos nos sentimos, muitas vezes, cansados, desanimados, frágeis e pequenos.

Oremos com Padre Faccenda

L1: Ó Maria de Nazaré, quantas vezes penso... se tu não tivesses julgado oportuno dizer aquele misterioso sim ao anjo, que te dirigia a sua saudação e que te propunha uma coisa tão nova, tão grande e tão absurda, onde me encontraria eu agora?

T: Ave cheia de graça, ave cheia de amor.

L2: Qual teria sido o meu destino? Qual o destino de toda a humanidade que se revezou nestes vinte séculos, e se revesará nos séculos futuros?

T: Ave cheia de graça, ave cheia de amor.

L1: Mas, tu esqueceste aquilo que tinhas planejado para a tua vida... E, quando a criação fremia na expectativa e o céu trepidava diante da incerteza da tua resposta, o teu sim pronto, consciente e generoso, ressou como um grito de vitória.

T: Ave cheia de graça, ave cheia de amor.

L2: O Espírito de amor te possuía fazendo de ti sua esposa, cumulando-te de dons, de graça e de maternidade.

T: Ave cheia de graça, ave cheia de amor.

A: Deus escolheu Maria para ser a mãe do seu Filho. Maria é o ponto de encontro entre a divindade e a humanidade. Ela mudou a história do homem dando a cada um a chance de realizar de maneira única a imagem de Deus em si mesmo.

Leitura: Lc 2,6-12

L1: Estamos diante do presépio. Neste lugar simples Deus quis nascer. O anjo anunciou aos pastores: "Vocês vão encontrar o menino envolto em faixas e deitado numa manjedoura." (Lc 2,12)

L2: Somos também como os pastores que buscam Deus. O nosso coração quer ser a manjedoura onde Jesus fará o seu refúgio e a sua morada.

Meditemos com Padre Kolbe

L1: "Maria é criatura de Deus, propriedade de Deus, imagem de Deus, filha de Deus, da maneira mais perfeita possível para um ser meramente humano. A sua união de amor com Deus chega a ponto dela se tornar a mãe de Deus. O Pai lhe confia o próprio Filho, o Filho descende de seu ventre, enquanto o Espírito Santo forma, a partir do corpo dela, o corpo santíssimo de Jesus."

A: Deus nos pede para cuidarmos dessa criança. Somos felizes porque o divino quer morar em nós. Pelo sim de Maria, Jesus habitou a nossa vida, trazendo paz, felicidade e salvação. Diante de tão grande mistério de amor, somos levados a manifestar nossa alegria e gratidão a Deus. Dessa forma, como gesto concreto, façamos o propósito de acolher com amor o menino Deus em nossos corações e levá-lo a todos em nossos irmãos.

Everenice Schiavon Ara
Voluntária da Imaculada-Padre Kolbe