quinta-feira, 17 de abril de 2014

Tríduo Pascal - 2014

O que é o Tríduo Pascal?

O Tríduo Pascal são os três dias santos em que a Igreja faz memória do mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

Na tarde da Quinta-feira Santa inicia efetivamente o Tríduo Pascal, com a memória da Última Ceia, na qual Jesus instituiu o Memorial da sua Páscoa, dando cumprimento ao rito pascal hebraico. A Quinta-feira Santa, enfim, encerra-se com a Adoração eucarística, na recordação da agonia do Senhor no Horto das Oliveiras.

Na Sexta-feira Santa faremos memória da paixão e da morte do Senhor; adoraremos Cristo Crucificado, participaremos nos seus sofrimentos com a penitência e o jejum.

Na noite do Sábado Santo, celebraremos a solene Vigília Pascal, na qual nos é anunciada a ressurreição de Cristo, a sua vitória definitiva sobre a morte que nos interpela a ser nele homens novos.

Como viver o Tríduo Pascal?


Com certeza, este não será o primeiro Tríduo Pascal que vivemos e nem será o último, mas podemos escolher de fazer desse ano um momento de grande experiência com Deus.

Gostaríamos de usar a palavra “ousar”. Ousar na experiência de viver o Tríduo Pascal....Fazer uma experiência além do que você esteja acostumado. Olhar a cruz com olhos de amor... Passar com Jesus os caminhos que ele passou, desde o lava-pés, a instituição da Eucaristia, seu caminho pelo calvário, suas dores, a chegada da morte, o medo, a coragem, a missão, nossa salvação, até o ápice da Ressurreição.
Talvez não seja fácil, pois mais uma vez requer um sacrifício nosso, em especial quanto ao tempo. Mas te desafiamos a separar uns minutos para você fazer a sua própria experiência com Deus.

Para muitos santos, esses dias do Tríduo Pascal eram quando eles conseguiam uma maior entrega à Deus em seus momentos de oração pessoal, pois a cruz os levava a uma experiência mística com Deus, experiência que suscitava o desejo de viver com Jesus esse sacrifício.

A cruz era uma fonte inesgotável de devoção para Santa Teresinha do Menino Jesus, que aos 13 anos fez uma experiência fantástica com Jesus e nos relata: “Num domingo, ao olhar uma estampa de Nosso Senhor na cruz, senti-me profundamente impressionada com o sangue que caía de uma de suas divinas mãos. Senti grande aflição pensando que esse sangue caía no chão sem que ninguém se apressasse em recolhê-lo. Tomei a resolução de estar sempre, em espírito, ao pé da cruz…” (A 45v)

A cruz deve ser para nós cristãos um sinal de força, coragem, vitória sobre toda e qualquer dificuldade. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3, 16).

“Na expressão "Jesus desceu à mansão dos mortos”, o símbolo confessa que Jesus morreu realmente e que, por sua morte por nós, venceu a morte e o diabo, “o dominador da morte” (Hb 2, 14). O Cristo morto, em sua alma unida à sua pessoa divina, desceu à Morada dos Mortos. Abriu as portas do Céu aos justos que o haviam precedido.” (Catecismo da Igreja Católica - 636, 637).

A morte de Jesus na cruz foi a nossa salvação, pois Cristo desceu aos infernos para remir nossos pecados e salvar a todos: os que o precederam, os que estavam vivos naquele momento e todos os que vieram depois Dele, como nós.

Mas Ele não parou aí, Ele foi além... Ele venceu a morte. Por isso, no Sábado Santo, ficamos à espera do Senhor que nos dará a Vida Eterna.

Convidamos você fazer essa espera, junto com Maria, aquela que é modelo de Fé e esperança.
Se voltarmos às mulheres do Evangelho, podemos ver mais um ponto: Elas encontram o túmulo vazio, o corpo de Jesus não está lá…E eis que aparecem dois homens em trajes resplandecentes, dizendo: “Porque buscais o Vivente entre os mortos? Não está aqui; ressuscitou!” (Lc 24, 5-6).

“Jesus não é um morto, ressuscitou, é o Vivente! Não regressou simplesmente à vida, mas é a própria vida, porque é o Filho de Deus, que é o Vivente (cf. Nm 14, 21-28; Dt 5, 26, Js 3, 10). Jesus já não está no passado, mas vive no presente e lança-Se para o futuro; Jesus é o 'hoje' eterno de Deus. Assim se apresenta a novidade de Deus diante dos olhos das mulheres, dos discípulos, de todos nós: a vitória sobre o pecado, sobre o mal, sobre a morte, sobre tudo o que oprime a vida e lhe dá um rosto menos humano. E isto é uma mensagem dirigida a mim, a ti, amada irmã, a ti amado irmão. Quantas vezes precisamos que o Amor nos diga: Porque buscais o Vivente entre os mortos? Os problemas, as preocupações de todos os dias tendem a fechar-nos em nós mesmos, na tristeza, na amargura… e aí está a morte. Não procuremos aí o Vivente! Aceita então que Jesus Ressuscitado entre na tua vida, acolhe-O como amigo, com confiança: Ele é a vida! Se até agora estiveste longe d’Ele, basta que faças um pequeno passo e Ele te acolherá de braços abertos. Se és indiferente, aceita arriscar: não ficarás desiludido. Se te parece difícil segui-Lo, não tenhas medo, entrega-te a Ele, podes estar seguro de que Ele está perto de ti, está contigo e dar-te-á a paz que procuras e a força para viver como Ele quer.” (Homilia do Santo Padre Francisco - Sábado Santo, 30/03/13)

Impulsionados pelas palavras de Padre Faccenda: “Quanto mais é o amor, mais é a doação. Quem ama completamente, se doa completamente.”, permitamos que esses dias de Tríduo Pascal e a Ressurreição de Jesus mudem nossas vidas, mudem nossa expressão de amor para Deus e para nosso próximo e que isso gere frutos de generosidade, bondade e misericórdia em nossos corações. Pois, assim como diz São Paulo aos Coríntios: “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” Mas Ele ressuscitou! Aleluia!

Boa Semana Santa! e Feliz Páscoa!

Diana Darré e Evandro de Oliveira
Voluntários da Imaculada-Padre Kolbe

Fontes:

http://www.carmelitas.org.br/site/a-cruz-em-santa-teresinha-do-menino-jesus/
http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20130330_veglia-pasquale_po.html