sábado, 15 de março de 2014

Comentário do Evangelho Segundo São Mateus 17, 1-9

"Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e conduziu-os à parte a uma alta montanha. Lá se transfigurou na presença deles: seu rosto brilhou como o sol, suas vestes tornaram-se resplandecentes de brancura. E eis que apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Pedro tomou então a palavra e disse-lhe: Senhor, é bom estarmos aqui. Se queres, farei aqui três tendas: uma para ti, uma para Moisés e outra para Elias. Falava ele ainda, quando veio uma nuvem luminosa e os envolveu. E daquela nuvem fez-se ouvir uma voz que dizia: Eis o meu Filho muito amado, em quem pus toda minha afeição; ouvi-o. Ouvindo esta voz, os discípulos caíram com a face por terra e tiveram medo. Mas Jesus aproximou-se deles e tocou-os, dizendo: Levantai-vos e não temais. Eles levantaram os olhos e não viram mais ninguém, senão unicamente Jesus. E, quando desciam, Jesus lhes fez esta proibição: Não conteis a ninguém o que vistes, até que o Filho do Homem ressuscite dos mortos." (M 17, 1-9.)

Vamos pedir a assistência ao Espírito Santo para que nos ilumine ao ler essa passagem da Escritura. Que não seja somente palavras e sim Palavra que nos dê vida e nos ajude no seguimento de Jesus que está ao caminho de Jerusalém.

A "transfiguração de Jesus" encontramos também nos evangelhos de Marcos 9,2-10 e Lucas 9, 28-36. Porém, é próprio de Mateus a frase: “Em quem me comprazo”. Essa frase faz referência a Isaías 42,1. Também os versículos 6-7 são próprios de Mateus.

O texto de Mateus começa com uma indicação cronológica: “Seis dias depois”. Que precede com a profissão de fé de Pedro, com o primeiro anúncio claro por parte de Jesus de sua paixão e para ser discípulos é preciso segui-lo pelo caminho da cruz. “Seis dias depois” o Mestre leva três dos seus discípulos para uma montanha e ali antecipa  a experiência da sua gloria prometida depois da sua morte.
Jesus mostra aos seus discípulos em um lugar de solidão seu aspecto divino (v.2). Aqui Mateus insiste particularmente na luz e no fulgor que emana dele, invocando a figura do Filho do homem de Daniel 10 e a narração da manifestação de YHWH no monte Sinai (Ex 34, 29-33).

Aqui vemos alusões das teofanias do Antigo Testamento ( Ex 19, 16; 24,3; 1Re19,11), no qual indica que está passando algo muito importante: Em Jesus a antiga aliança vai se transformando em nova e eterna aliança. Moisés e Elias, que representam a Lei e os profetas. Jesus é aquele que veio dar pleno cumprimento à Lei e aos Profetas.  "Jesus é para nós aquele que trouxe a nova Lei e cumpre as profecias." De fato, é uma característica de Mateus no seu evangelho mostra que Jesus cumpre as profecias.

Depois vemos que os discípulos antes dessa manifestação extraordinária da glória de Jesus, apodera-se um grande temor neles. Jesus os reanima com seu gesto e sua palavra (v.7) como o Filho do homem da visão de Daniel. Volta-se mais desconcertante e incompreensível aos discípulos o que Jesus já havia dito: o Filho do homem-figura  gloriosa esperada como conclusão da história deverá  enfrentar a morte e a ressurreição.

"Jesus tu és o Senhor: há mostrado teu rosto radiante de luz aos teus discípulos, pouco antes da sua paixão e agora temerosos  antes da glória que irradia. Sempre nos supera teus mistérios. Tu és Senhor: como filho predileto do Pai, hás percorrido primeiro e agora nos abres para nós o caminho da obediência de fé, que nos parece difícil, porem, contigo  o caminho fica mais seguro e assim desaparece o medo e a fadiga."

Maria do Socorro Domingos Ferreira
Missionária da Imaculada-Padre Kolbe