quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Terceiro dia do tríduo para a festa da Medalha Milagrosa - Maria: Mãe que acompanha e ama seus filhos.

Em nome do Pai...

Canto

Dos Escritos do Padre Faccenda

Na medalha milagrosa São Maximiliano enxergava um sinal da bondade de Maria e da sua suplicante potência e também um sinal do seu materno amor.
Amor que foi revelado mais uma vez quando o judeu Afonso Ratisbonne se converteu a Deus, exatamente em Roma, na igreja de Sant’Andrea dele Fratte, depois da aparição de Maria, da mesma forma que a vemos na primeira face da medalha, a ele doada por um amigo.
Aos pés desse altar, no silencio da igreja, o jovem Maximiliano tinha meditado e rezado muitas vezes, ali tinha celebrado a sua primeira missa em 29 de abril de 1918. E o pacto com a medalha milagrosa acompanha-o a vida toda como pasto de amor e de confiança.

São Maximiliano Kolbe:

Não é necessário muito tempo para doar-se para sempre à Imaculada, para carregar a sua medalhinha e para repetir uma vez ao dia a breve jaculatória. Que façam ao menos alguma coisa pela Imaculada e lentamente Ela entrará  em seus corações, os purificará e inflamará de amor pelo coração de Jesus, um amor que trará alegria.

Oração:

Ó Mãe Imaculada, fazei que a cruz de vossa Medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna.

Rezar 3 Ave-Marias, acrescentando em cada uma: "Ó Maria Concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós".
Pai Nosso...
Glória ao Pai...