segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Graças que não podemos perder!


Eis que a 27 de novembro de 1830 Nossa Senhora aparece à jovem noviça Catarina Labouré e pede que seja cunhada uma medalha. E Ela mesma explica e mostra à jovem como deve ser essa medalha!

Pense que bonito: portamos a medalha que a mãe de Deus pediu que fosse cunhada e ainda nos deixou uma mensagem de consolação e de esperança em nossas necessidades: “As pessoas que usarem essa medalha receberão abundantes graças, sobretudo trazendo-a ao pescoço; as graças serão abundantes para todas as pessoas que tiverem confiança”.
Também tem um detalhe interessante nessa aparição: as mãos de Nossa Senhora estavam estendidas e emitiam raios luminosos simbolizando as graças que Ela queria derramar sobre seus filhos. Mas Catarina percebeu que algumas das pedras preciosas que deveriam emitir os raios estavam apagadas. Então, a Virgem Santíssima lhe explicou: “As pedras preciosas das quais não saem raios são símbolo das graças que não me foram pedidas por esquecimento”.

Perceba: Nossa Senhora não é invasiva... Ela sabe do que seus filhos precisam, certamente. Porém, assim como um filho que cresce e a mãe respeita sua maturidade colocando-se à disposição no que ele precisar, nossa Mãe Santíssima também em suas mensagens nos diz que está sempre disposta a derramar suas graças sobre nós, basta pedirmos, basta orarmos. E o que é a oração, além do nosso diálogo sincero com a Trindade Santa, com Nossa Senhora e nossos queridos santos?

A devoção foi difundida e assim, inúmeras graças foram e são derramadas em todo o mundo sobre todos os que carregam essa medalha com fé e a chamam de milagrosa.
Hoje, pedimos a Nossa Senhora que olhe por nós e confiamos ao seu materno coração os nossos pedidos e as pessoas que amamos. Juntos, rogamos: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Angélica Cunha
Assessora de Marketing